/ PIXELS / / PIXELS /

Artigos

A boa mãe

Ranking:

A boa mãe, a que não grita, não perde as estribeiras, não ultrapassa todos os seus próprios limites, é a mãe que consegue descansar.

A boa mãe, que não dá chilique nem surta com os colegas de trabalho, é a mãe que tem uma válvula de escape saudável, que faz bem para si.

A boa mãe tem tempo para um banho morno e revigorante.

A boa mãe é aquela que tem tempo para fazer uma refeição sentada.

A boa mãe consegue fazer uma comidinha apenas para si, do jeito que quer comer, com pimenta, temperinhos verdes, cebola e tudo aquilo que criança não gosta de comer e fica escolhendo no prato.

A boa mãe pode ficar um dia inteirinho de pijama deitada assistindo série, ou correndo, ou praticando atividade física, ou meditando, ou fazendo sabe-se lá o que ela quer fazer e que lhe faça bem, porque tem quem cuide das crianças além dela mesma.

A boa mãe, aquela que responde com amorosidade à centésima décima segunda vez que a criança fez a mesma pergunta, é a que está com a mente quieta, a espinha ereta e o coração tranquilo.

A boa mãe, a que não se arrepende de comportamento algum com as crianças porque teve tempo de se antecipar ao seu próprio impulso agressivo, consegue respirar profundamente e não está vivendo situações constantes de estresse.

A boa mãe têm orgasmos com frequência.

A boa mãe não se sente sozinha, porque pessoas ao seu redor se responsabilizam igualmente pelos cuidados com a família.

Com a casa.

Com os alimentos.

Com a segunda lavagem da roupa que todos esqueceram dentro da máquina de lavar sem pendurar.

Com as contas para pagar – não apenas do valor, mas da data, dos compromissos.

Com os cuidados emocionais da criança.

Com o fortalecimento da autoestima dos filhos.

Com a data da apresentação.

Com o lanche cotidiano.

Com a resposta a perguntas como: “O que é sexo?”.

A boa mãe não está sozinha.

Ela tem o pai dos filhos cuidando junto – se essa foi a sua escolha.

Ela tem outros membros da família também se vendo como responsáveis.

Ela tem um trabalho que respeita sua condição de mãe.

Tem direitos advindos da inegável sobrecarga materna.

Se uma mulher não está nessas condições; se a ela falta apoio, co-responsabilidade, parceria, afeto, cuidado; se ela não tem sequer tempo para um banho digno; se não consegue dormir em virtude das excessivas preocupações; se está sendo depositada sobre ela a suposta obrigação de cuidar, gerenciar, amar, orientar, limpar, trabalhar, organizar; se ela está completamente sozinha, eu tenho uma sugestão a você, que a critica por não ser “a boa mãe”: assuma a sua parte e substitua a sua crítica por apoio. Quando uma mulher é deixada sozinha, a culpa – pelo cansaço, pelo desequilíbrio, pela má alimentação, pelas olheiras, pelo grito que por ventura é dado, por tudo aquilo pelo qual ela é julgada - é de todos ao redor. Sua inclusive.

Se você é uma mãe e está, neste momento, se julgando por não se achar suficientemente boa, respire, olhe ao seu redor e veja se você tem o apoio de que precisa. Não tem? A culpa não é sua.

A boa mãe não surge do nada, por geração espontânea ou por milagre: ela é fruto de todos assumirem sua responsabilidade.

A verdade é que se você não se importa, a boa mãe pode não existir.

***

Parte do meu trabalho é justamente isso: apoiar mulheres mães para terem vidas mais plenas. E faço isso da perspectiva de 20 anos de formação como neurocientista e doutora em Saúde Coletiva com foco nas mulheres. Se você precisa de apoio, entre em contato pelo e-mail [email protected] que eu te explico como funciona a MENTORIA E APOIO MATERNO.

***

Venha participar dos meus cursos, rodas de conversa e palestras! Vejam algumas datas abaixo:

05 de outubro - SÃO PAULO/SP - "Maternidade e Carga Mental". Informações e inscrições: http://bit.ly/MaternidadeCargaMentalSP 

05 de outubro - SÃO PAULO/SP - "Crianças e eletrônicos: em busca do caminho do meio" - Informações e inscrições: http://bit.ly/CriancaseEletronicosSP

19 e 20 de outubro - BRASÍLIA/DF - "Curso de capacitação em atuação contra violência obstétrica". Mais informações pelo Whatsapp: (48) 991624514

02 de novembro - SALVADOR/BA - "Maternidade e carga mental" e "Sexualidade Pós-Maternidade". Mais informações pelo Whatsapp: (48) 991624514

E tem mais! É só acompanhar as divulgações no Instagram e Facebook Cientista Que Virou Mãe. Espero encontrar vocês pessoalmente! 

E se quiser tornar possível uma oficina sobre educação sem violência, maternidade e a vida das mulheres em sua cidade, é só entrar em contato: [email protected]

O livro que tem apoiado milhares de famílias a reformularem sua prática de educação. Tenha já o seu ou presentei alguém que ama! 

Ligia Moreiras

Autora: Ligia Moreiras

Mãe da Clara, doutora em Saúde Coletiva, doutora em Ciências, mestre em Ciências, bióloga, escritora, ativista, feminista. Mudou toda sua vida depois do nascimento da filha por um único motivo: quer ajudar a diminuir iniquidades que as mulheres passam a viver apenas por se tornarem mães e a lutar por uma infância livre de violência. Criadora do site CIENTISTA QUE VIROU MÃE. Apaixonada pelo que a maternidade pode trazer às mulheres em termos de empoderamento, emancipação e busca por autonomia. Escreve aqui sobre tudo isso: infância, feminismo, educação sem violência, empoderamento materno, direitos reprodutivos e o combate à violência contra a mulher e à criança. Autora dos livros "Educar sem violência - Criando filhos sem palmadas", "Mulheres Que Viram Mães" (ambos pela Editora Papirus), entre outros publicados pela Plataforma CQVM.

Plataforma CQVM© - 2011-2018