/ PIXELS / / PIXELS /

FINANCIE

O custo invisível de educar uma criança: quem paga?

O custo invisível de educar uma criança: quem paga?

"Ser mãe não tem preço e o amor deve ser incondicional". É assim que pensa e defende grande parte da sociedade, que cobra da mulher o cumprimento deste estereótipo. Essa crença faz com que a maior parte dos cuidados fique com a mãe, madrasta ou outra figura feminina. Mas cuidar de uma criança é atribuição de gênero? Não, não é. E mais: as horas de cuidados que temos com nossos filhos tem um custo invisível sim, e esse custo é pago. E é pago pela mulher cuidadora! Maternagem não é ser a responsável por todas as atribuições com os filhos, porque muitas dessas podem ser delegadas a um profissional. E quando alguém se dedica a isso sem retribuição alguma, deixa de receber por seu trabalho, como poderia receber em outro serviço prestado à sociedade. Ou seja: A CONTA NÃO FECHA. Sempre vai faltar para alguém. E quando se tira de alguém mas não se repõe, desrespeitamos o direito humano de ter uma vida digna e livre de opressões. E daí a pergunta: O QUE É, QUANTO CUSTA E QUEM PAGA O CAPITAL INVISÍVEL INVESTIDO NA EDUCAÇÃO DE UMA CRIANÇA? Quer entender mais sobre isso, quer saber se é você quem está pagando esse custo invisível, quer saber quanto é esse custo? Apoie este texto com o valor que quiser e ajude-o a ser produzido.

FUNCIONA ASSIM:

Você apoia com o valor que quiser apoiar. Quando atingirmos o valor mínimo, você recebe o texto em seu e-mail e ele é publicado no site, para acesso de todos. Você contribui com a produção de informação independente, ajuda a remunerar uma mãe escritora e ajuda a manter a plataforma funcionando! É financiamento coletivo, de alguns para todos. Clique em FINANCIAR e apoie!

Plataforma CQVM© - 2011-2018